Page Nav

HIDE

Latest Posts

TRUE
{fbt_classic_header}

GRUPO M4 COMUNICAÇÃO

Últimas Notícias:

latest

Destaque TOPO - 970x250 - GRUPO M4

AVISO, PREMUNIÇÃO ou IRONIA DO DESTINO? Novo Governo nem assumiu e equipe de transição começa a se desmanchar por condenação na justiça

Mantega renuncia à equipe de transição por condenação em processo no TCU por "Pedaladas Fiscais" no governo Dilma Ex-Ministro Guid...

Mantega renuncia à equipe de transição por condenação em processo no TCU por "Pedaladas Fiscais" no governo Dilma
Ex-Ministro Guido Mantega entregou carta de renúncia à equipe de transição do novo governo petista, que mal começou e já está se desmanchando

O ex-ministro Guido Mantega deixou o grupo de transição após ter recebido críticas | RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL - 27.10.2015

O ex-ministro Guido Mantega informou nesta quinta-feira (17) que não vai continuar na equipe de transição do presidente eleito do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O anúncio foi feito em carta enviada ao vice-presidente da República eleito e coordenador-geral do governo de transição, Geraldo Alckmin (PSB).

Mantega usou como justificativa a condenação que recebeu do TCU (Tribunal de Contas da União) no processo das pedaladas fiscais, que resultaram também no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em 2016. Com o processo, o ex-ministro está inabilitado a assumir qualquer cargo público até 25 de fevereiro de 2030.

De acordo com ele, "essa minha condição estava sendo explorada pelos adversários, interessados em tumultuar a transição e criar dificuldades para o novo governo".

"Diante disso, resolvi solicitar meu afastamento da Equipe de Transição, no aguardo de decisão judicial que irá suspender os atos do TCU que me afastaram da vida pública. Estou confiante de que a justiça vai reparar esse equívoco, que manchou minha reputação", escreveu Mantega.

Após receber a carta, Alckmin telefonou a Mantega e agradeceu ao ex-ministro pela colaboração e pelo gesto de deixar a transição para não atrapalhar o novo governo.

Mantega foi convidado a compor o grupo técnico de planejamento, orçamento e gestão. A equipe de transição ainda não definiu se ele será substituído.

Leia a íntegra da carta de Mantega

"Aceitei com alegria o convite para participar do Grupo de Transição, na certeza de poder dar uma contribuição para a implantação do governo democrático do presidente Lula.

Entretanto, em face de um procedimento administrativo do TCU, que me responsabilizou indevidamente, enquanto ministro da Fazenda, por praticar a suposta postergação de despesas no ano de 2014, as chamadas pedaladas fiscais, aceitei trabalhar na Equipe como colaborador não remunerado, sem cargo público, para não contrariar a decisão que me impedia de exercer funções públicas por 8 anos.

Mesmo assim essa minha condição estava sendo explorada pelos adversários, interessados em tumultuar a transição e criar dificuldades para o novo governo.

Diante disso, resolvi solicitar meu afastamento da Equipe de Transição, no aguardo de decisão judicial que irá suspender os atos do TCU que me afastaram da vida pública. Estou confiante de que a justiça vai reparar esse equívoco, que manchou minha reputação."

Após ser anunciado para equipe de transição, Mantega chegou a declarar em entrevista que estava trabalhando para barrar a indicação de Ilan Goldfajn para a presidência do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Goldfajn foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) ao cargo. Para o ex-ministro, Bolsonaro "tentou dar mais um golpe" com a indicação. Logicamente a fala gerou críticas, o que confirma claramente que o novo governo deseja desfazer tudo aquilo que foi construído ao longos dos últimos 4 anos com o governo Bolsonaro, que primou unicamente pelo progresso e pelo crescimento do país.

Mesmo assim, o indicado do presidente Bolsonaro recebe apoio, inclusive do ex-ministro Henrique Meirelles, que declarou: "O Ilan é um sujeito extremamente qualificado, tem a experiência necessária para esse cargo, serviu a governos diversos e a organismos internacionais. Não é representante de uma facção política, e isso é muito positivo".

FONTE: TRIBUNA DO BRASIL | EDIÇÃO: REDAÇÃO GRUPO M4

Nenhum comentário

Obrigado por contribuir com seu comentário! Ficamos felizes por ser nosso leitor! Seja muito bem vindo! Acompanhe sempre as nossas notícias! A equipe Tribuna do Brasil agradece!

Oferecimento Tribuna do Brasil & Agência Brasil