Page Nav

Grid

GRID_STYLE

Classic Header

{fbt_classic_header}


 

Destaques:

latest

Classic Header

MUNDO | CHINA - URGENTE: Liberdade de expressão e verdade estão sendo cerceadas! Por que jornalistas estrangeiros estão fugindo da China?

Para Comitê para a Proteção de Jornalistas, maior saída de repórteres indica que país “tem muito a esconder”. Com endurecimento da repressão...

Para Comitê para a Proteção de Jornalistas, maior saída de repórteres indica que país “tem muito a esconder”. Com endurecimento da repressão em Pequim, público internacional pode ficar à mercê da mídia estatal chinesa. Pelo menos 20 jornalistas foram expulsos ou forçados a deixar a China desde o ano passado, afirmou o Clube de Correspondentes Estrangeiros do país.

A associação diz que Pequim usa táticas de “intimidação” como parte dos esforços para obstruir o trabalho de repórteres estrangeiros.

Louisa Lim, jornalista premiada e conferencista sênior da Universidade de Melbourne, diz que a história envolve muito mais “do que apenas jornalistas sendo expulsos”.

“Fundamentalmente, o Partido Comunista da China vê o jornalismo estrangeiro como uma ferramenta ideológica que o Ocidente tem usado para se infiltrar em sua ideologia”, disse ela à DW.

Steven Butler, coordenador do programa para a Ásia do Comitê para a Proteção de Jornalistas, diz que a recente sucessão de jornalistas estrangeiros expulsos da China revela o endurecimento da posição de Pequim em relação à imprensa livre.

“É muito vergonhoso para a China e também mostra que eles têm muito a esconder”, disse Butler à DW.

Ativistas também estão sofrendo com a repressão cada vez maior de Pequim contra a oposição.

Um modelo de 'assédio e intimidação'

Em um dos últimos casos reportados de intimidação da imprensa estrangeira, a BBC revelou na quarta-feira (31/03) que um de seus correspondentes na China havia se mudado para Taiwan.

O jornalista John Sudworth disse que ele e sua equipe enfrentaram vigilância, ameaças de processos, obstrução e intimidação onde quer que tentassem filmar.

“Saímos com pressa, seguidos por policiais à paisana até o momento do check-in no aeroporto”, disse Sudworth em entrevista à BBC. “A realidade sombria para os repórteres daqui foi deixada clara até o fim.”

Em resposta à saída de Sudworth, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, disse que as autoridades não foram avisadas com antecedência.

“Só nos últimos dias, quando nos deparamos com o ofício de renovar o cartão de imprensa de Sudworth, ficamos sabendo que Sudworth saiu sem se despedir. Desde que ele deixou o país, ele não informou, de forma alguma, aos departamentos competentes, nem sobre o motivo [de sua saída]”, disse Hua em entrevista coletiva em Pequim. “Não sabemos por que ele saiu, porque ele não se despediu.”

A saída de Sudworth ocorre depois que Pequim bloqueou a transmissão da BBC World News na China.

O governo chinês acusou repetidamente a emissora britânica de produzir reportagens “falsas e fabricadas” sobre o país, especialmente depois que a BBC transmitiu uma entrevista com uma mulher uigur culpando Pequim pelo estupro, abuso sexual e tortura contra mulheres uigures nos chamados de campos de reeducação de Xinjiang.

Na quarta-feira, o Clube de Correspondentes Estrangeiros da China emitiu um comunicado descrevendo o assédio de Sudworth e seus colegas como “parte de um modelo maior de assédio e intimidação que obstrui o trabalho de correspondentes estrangeiros na China”.

Ascensão da mídia estatal chinesa

À medida que mais jornalistas deixam o país, a imprensa mundial pode esperar um declínio nas reportagens investigativas da China, alerta Lim.

A jornalista diz que o êxodo dá ao país a oportunidade de circular amplamente sua própria mídia estatal, já que as organizações de notícias estrangeiras terão um espectro menor de conteúdo para escolher.

“Se eles [os meios de comunicação estrangeiros] não tiverem um correspondente que possa filmar na China, é mais provável que usem materiais da emissora estatal chinesa CGTN”, disse Lim.

Mas todo o processo é “contraproducente”, pois a China ainda precisa de jornalistas estrangeiros para ajudar a manter o resto do mundo atualizado com suas atividades, acrescentou.

“Quando eles se livram dos jornalistas experientes, a China se torna ainda mais uma caixa preta e acho que isso pode ser contraproducente para o país”, concluiu.

De acordo com Butler, a expulsão de repórteres estrangeiros também é contraproducente para a China porque ela não apenas “tem muito a esconder”, mas “também tem muito do que se gabar”.

“Nós perdemos essas duas coisas agora”, disse ele.

Chamadas para negociações

Os correspondentes no país asiático precisam ficar mais vigilantes, advertiu Butler.

“Acho que os jornalistas estrangeiros na China precisam estar ultraconscientes de seus arredores e das possíveis implicações de segurança do que estão fazendo. Eles precisam tomar medidas extras para garantir também sua segurança digital”, disse ele.

Em última análise, segundo Butler, os governos estrangeiros precisam manter conversações com Pequim e ampliar as negociações sobre o comércio para incluir a liberdade de imprensa e o “acesso cultural”.

“A maneira mais provável de isso acontecer … é quando, em algum momento, o Ocidente precisar reavaliar o amplo relacionamento com a China e colocar a cobertura da mídia na mesa como parte das negociações mais amplas”.

FONTE: REVISTAPLANETA.COM.BR

EDIÇÃO:

REDAÇÃO DO GRUPO

 

Nenhum comentário

Obrigado por contribuir com seu comentário! Ficamos felizes por ser nosso leitor! Seja muito bem vindo! Acompanhe sempre as nossas notícias! A equipe Tribuna do Brasil agradece!