Page Nav

Classic Header

{fbt_classic_header}

Destaques:

latest

MUNDO | AFEGANISTÃO - Vídeo com chefe da Al-Qaeda alimenta rumores sobre morte e sucessão.

Fala curta e dados desatualizados não configuram prova de vida do chefe da Al-Qaeda, al-Zawahiri, apontam analistas O vídeo do chefe da Al-Q...

Fala curta e dados desatualizados não configuram prova de vida do chefe da Al-Qaeda, al-Zawahiri, apontam analistas

O vídeo do chefe da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, lançado no dia 12, só alimentou os rumores de que o sucessor de Osama bin Laden está de fato morto, apontou o site especializado Jihadica, na última quarta (17).

A principal figura do grupo jihadista fala apenas em quatro dos 22 minutos do vídeo, que trata do genocídio contra os muçulmanos rohingya de Mianmar. No restante do tempo, um narrador não identificado apresenta o assunto com atualizações mais recentes.

“Embora recortes de notícias sejam habituais nos vídeos da Al-Qaeda, não é normal que al-Zawahiri fique em segundo plano para outro orador”, apontou o analista Cole Bunzel.

O último vídeo veiculado pela Al-Qaeda de Ayman al-Zawahiri, chefe jihadista, em 12 de março de 2021 (Foto: Reprodução/Al-Qaeda)

Outros indícios apontam a fragilidade temporal do registro de Al-Zawahiri. Em dois fragmentos, o chefe jihadista se refere ao “governo democrático de Mianmar” – o que aparenta ter sido gravado antes do golpe militar de fevereiro. O episódio que levou os líderes opositores à prisão em Mianmar é referenciado apenas pelo narrador.

“As palavras de Al-Zawahiri são de fato tão gerais que poderiam ter sido registradas já em 2017. Nada em seus três minutos e 45 segundos oferece algo remotamente próximo de uma prova de vida”, escreveu Bunzel.

Os primeiros relatos da morte do chefe da Al-Qaeda surgiram em novembro de 2020, na imprensa paquistanesa. As informações apontavam que Al-Zawahiri teria morrido de causas naturais, provavelmente no Afeganistão.

A possibilidade do chefe da Al-Qaeda estar morto imediatamente levanta a questão sobre quem será seu sucessor – um tema que já abordou muitos nomes, como o do proeminente egípcio Saif al-Adel, que pode atrair o grupo para uma união com o EI (Estado Islâmico).
Possibilidades

Ainda que a morte de Al-Zawahiri não esteja confirmada, todos os sinais apontam para esta direção. O movimento, porém, pode indicar uma tentativa da Al-Qaeda “ganhar tempo” enquanto consegue uma sucessão ou mantém a negociação com o Taleban no acordo com o governo afegão e os EUA em Doha, no Catar – ou ambos.

Outra possibilidade é que Al-Zawahiri não esteja morto, mas a Al-Qaeda quer que o mundo pense que está. “Em outras palavras, [o grupo] deliberadamente promove essa ambiguidade para algum propósito estratégico”, disse o analista.

Entre os objetivos estaria indicar que o grupo está “enfraquecido” e, por isso, os EUA e a comunidade internacional poderiam retirar suas tropas do Afeganistão. Essa possibilidade, para Bunzel, é a menos plausível.

Um relatório do think tank norte-americano Wilson Center aponta que o movimento jihadista é o mais fragmentado desde 11 de setembro de 2001, quando a Al-Qaeda era um polo entre diversos grupos. “Ao perder líderes, novas figuras têm surgido para assumir a bandeira. Mas a rotatividade também ameaça a estabilidade”, diz o documento.

O foco, agora, tende a ser a ampliação do alcance regional. “No início de 2021, o grupo mantinha seis ramos centrais que se estendiam do Sahel ao subcontinente indiano”.


EDIÇÃO:

REDAÇÃO DO GRUPO


Nenhum comentário