Page Nav

Grid

GRID_STYLE

Classic Header

{fbt_classic_header}


 

Destaques:

latest

Classic Header

BRASIL | POLÍTICA - ANTT: Indicação sem critérios técnicos gera desconforto na SINAGÊNCIAS, que pede à Presidência da República, a imediata retirada de indicado do órgão. Confira o ofício!

A entidade reconhece que a maioria das indicações feitas pelo governo têm sido técnicas, mas neste caso se coloca em posição oposta, ao ente...

A entidade reconhece que a maioria das indicações feitas pelo governo têm sido técnicas, mas neste caso se coloca em posição oposta, ao entender que a indicação do senhor Arnaldo Silva Junior é de caráter eminentemente político.

Foto: ARQUIVO REDAÇÃO TRIBUNA DO BRASIL

O Sinagências oficiou, na manhã desta quinta-feira (21/01), à Presidência da República, pedido de retirada do nome do senhor, Arnaldo Silva Júnior para direção da ANTT, sugerindo um nome técnico que atenda a legislação vigente, por entender que existe um equívoco na referida indicação.

A entidade reconhece que a maioria das indicações feitas pelo governo têm sido técnicas, não sendo contrária a indicações externas ao seu corpo funcional ou técnico. Porém, entende que a indicação do senhor Arnaldo Silva Junior não atende aos critérios legais exigidos.

O indicado neste caso já foi deputado estadual em Minas Gerais entre 2015 e 2019; comanda o diretório municipal do DEM em Uberlândia (MG); é funcionário do gabinete do senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), sendo este último atual candidato à presidência do Senado e também herdeiro de empresas de ônibus. Este último fato é relevante e pode configurar conflito de interesses.

No ofício, a entidade também analisa a repercussão negativa junto ao mercado de um nome que não tem o perfil técnico e nem experiência exigidas para o cargo. Expõe a importância que indicações para a direção das Agências para assegurar estabilidade no ambiente de negócios, para a defesa da concorrência e para a atração de investimentos necessários ao país e ao bem da sociedade.

Também lembra que a indicação fere o disposto na Lei nº 9.986/00 (incluído pela Lei nº 13.848/19 – Lei Geral das Agências), onde é vedada a indicação para o Conselho Diretor ou a Diretoria Colegiada de Ministro de Estado, de dirigente estatutário de partido político e titular de mandato no Poder Legislativo de qualquer ente da federação, ainda que licenciados dos cargos; (Incluído pela Lei nº 13.848, de 2019); e de pessoa que tenha atuado, nos últimos 36 (trinta e seis) meses, como participante de estrutura decisória de partido político ou em trabalho vinculado a organização, estruturação e realização de campanha eleitoral.

Por fim, os membros diretivos da entidade, ao representar os mais de 12 mil servidores de carreiras de estado que atuam nas Agências Reguladoras em todo o país, prezam pela autonomia técnica destas autarquias e pedem a retirada do nome do senhor Arnaldo Silva Júnior, mesmo após aprovação em sabatina no Senado Federal. O Palácio do Planalto acusou recebimento do ofício.

Confira o documento na íntegra:



Fonte : ascom/Sinagências


REDAÇÃO TRIBUNA DO BRASIL

Uma marca do Grupo

Nenhum comentário

Obrigado por contribuir com seu comentário! Ficamos felizes por ser nosso leitor! Seja muito bem vindo! Acompanhe sempre as nossas notícias! A equipe Tribuna do Brasil agradece!