Page Nav

Grid

GRID_STYLE

Classic Header

{fbt_classic_header}


 

Destaques:

latest

Classic Header

TEM "GATO" NA LINHA? CEB com apoio da PCDF já estão nas ruas identificando os "gatunos"!

  A Companhia Energética de Brasília (CEB) tem reforçado o combate às ligações clandestinas espalhadas por todo o Distrito Federal. Além do ...

 A Companhia Energética de Brasília (CEB) tem reforçado o combate às ligações clandestinas espalhadas por todo o Distrito Federal. Além do prejuízo financeiro, que ultrapassa R$ 96 milhões por ano, essas ligações são perigosas e podem levar à morte. Logo, coibir esse tipo de ação virou uma das prioridades dentro da companhia.


Foto: BD Redação Tribuna do DF

Há muitas ligações espalhadas por todo o DF. O último levantamento da CEB, feito no segundo semestre de 2019, aponta para há 62 mil. 

Popularmente conhecido como “gato”, o furto de energia é identificado em dezenas de regiões administrativas, mas têm maior ocorrência nas cidades de São Sebastião, Taguatinga, Guará, Lago Sul, Gama, Brazlândia e Planaltina, muito em parte por conta do crescimento desordenado e o surgimento de condomínios irregulares. 

Para acabar com esse problema, a CEB assinou contrato de fiscalização com empresas terceirizadas e passou a atuar em campo, fazendo o levantamento de ligações clandestinas e fraudes em medidores de energia. Ao todo, 22 equipes fazem esse trabalho desde o segundo semestre de 2020. 

Temos esse prejuízo de R$ 96 milhões, mas se considerarmos o que deixamos de arrecadar e o prejuízo causado pela sobrecarga na rede, temos mais R$ 50 milhões gastos com manutenção por ano”, explica Gustavo Alvares, diretor de Atendimento ao Cliente e Tecnologia da Informação da CEB. 

A companhia também utiliza a tecnologia para identificar alterações no consumo das residências. Quando observam uma queda brusca no consumo, eles checam se houve algum problema, o que facilita a resolução. 

Além da tecnologia, a CEB recebe denúncias pela Ouvidoria do GDF como forma de combater as ligações irregulares. Este trabalho de fiscalização é complementado por um acordo feito com a Polícia Civil. 

Outra medida é a troca de medidores que estão marcando zero, seja por fraude ou problema no aparelho. A empresa de energia já efetuou a troca de 40 mil unidades neste ano e deve chegar a 60 mil até dezembro, o que pode representar uma recuperação de R$ 7 milhões no faturamento. 

Multas e fiscalização 

Foto: Divulgação | CEB 

Quando a fraude é identificada, seja por denúncia ou fiscalização, a CEB emite um termo de ocorrência, onde constam informações da irregularidade e o cliente precisa acertar a situação. Também ocorre desligamento da unidade e aplicação de multa. 

O que a gente tem percebido é que a população quer pagar energia. É um ato de cidadania, ela quer ficar regular com o Estado, quer ter direito a reclamar de um problema quando acontece. Mas, o “gato” é um problema sério e representa um risco à vida. Temos exemplos de pessoas que morreram por tocar num poste eletrificado. Já ocorreu de a CEB receber a denúncia, confirmar a ligação irregular, desligá-la e no dia seguinte ela ser refeita”, acrescenta Gustavo Alvares. 

Parceria com a Polícia Civil 

Em maio deste ano, a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) e a CEB firmaram um Acordo de Cooperação Técnica (ACT) com o objetivo de coibir crimes praticados contra a distribuidora de energia e reduzir as perdas decorrentes desses atos. 


O trabalho integrado visa intensificar as operações de investigação e demais ações de repressão a fraudes de medidores de consumo, abalroamento de postes (acidentes de trânsito com postes) e furtos de cabos e transformadores de energia. 

Segundo dados da CEB, há um prejuízo anual de aproximadamente R$ 3 milhões com furtos de cabos de cobre, roubo de transformadores e postes danificados que não são ressarcidos – nesse último caso, em função da dificuldade de localizar o autor. 

O acordo prevê uma adequação para que, quando um Boletim de Ocorrência (BO) indicar acidente de trânsito com poste de energia, automaticamente a CEB receba esses dados para solicitar a indenização do dano ao possível autor. 

Há também o trabalho de campo da Polícia Civil. Recentemente, a corporação deflagrou a operação “curto-circuito”, onde 17 pessoas foram detidas por furto de energia na Ponte Alta do Gama. 

A ação contou com dois delegados, 24 policiais civis e o apoio do Instituto de Criminalística da PCDF. Os detidos foram levados para a 14ª Delegacia de Polícia, no Gama, onde foram autuados em flagrante por furto de energia, com pena que pode variar de um a quatro anos e multa. 

As operações policiais de combate aos crimes de furto de energia elétrica são muito importantes, haja vista que as ligações clandestinas causam prejuízo a todos os consumidores, bem como empresas concessionárias. As ligações clandestinas sobrecarregam as redes elétricas, deixando o sistema de distribuição mais suscetível a interrupções no fornecimento de energia elétrica”, explica Jônatas Silva, delegado-chefe da 14ª Delegacia de Polícia. 

Atuação dos Bombeiros 

Foto: Renato Araújo/Agência Brasília 

Em outra frente está o Corpo de Bombeiros Militar do DF (CMBDF). Eles atuam em duas vertentes contra as ligações clandestinas. A primeira é na prestação dos primeiros-socorros em caso de ferimentos. 

A outra é quando há incêndio provocado por essas ligações. Neste caso, os bombeiros combatem o fogo e também investigam o que levou a causar o incêndio. 

Em qualquer dos casos, a primeira ação de uma pessoa ao tomar conhecimento de que alguém sofreu uma descarga elétrica ou visualizou uma situação de incêndio, a recomendação é ligar para o 193. Depois, o trabalho fica a cargo dos bombeiros, que vão saber a melhor forma de agir. 

Somente no primeiro semestre de 2020, o CBMDF foi acionado 75 vezes para verificar fenômenos elétricos que não causaram incêndios, e outras 1.215 vezes para combater incêndios em residências e estabelecimentos, relacionados ou não com eletricidade. 

Em caso de acidente com energia elétrica, nem sempre reagir vai ser a recomendação. Não se pode colocar a vida das pessoas em risco e a energia só poderá ser cortada se houver segurança para isso”, explica o major Rodrigo Almeida Freitas, do Corpo de Bombeiros. 

Como forma de segurança, Freitas recomenda que as pessoas não façam ligações clandestinas e contratem um profissional para executar a rede elétrica. “Chamem um profissional ou engenheiro experiente e instalem o disjuntor DR, para que nos casos onde a pessoa leva um choque ela não fique presa e em estado vulnerável o choque. É importante fazer a manutenção e revisão da rede também”, pede.


AGÊNCIA BRASÍLIA
REDAÇÃO TRIBUNA DO BRASIL

Nenhum comentário

Obrigado por contribuir com seu comentário! Ficamos felizes por ser nosso leitor! Seja muito bem vindo! Acompanhe sempre as nossas notícias! A equipe Tribuna do Brasil agradece!