Page Nav

HIDE

Latest Posts

TRUE
{fbt_classic_header}

DISPONÍVEL

Últimas Notícias:

latest

Scalercio Imobiliária

TBR | Censura do Ministro das Relações Exteriores da China a jornalistas, evidencia total desprezo à liberdade de imprensa

A influência assustadora da China na liberdade de imprensa do Pacífico Artigo relata como Beijing impôs sua censura em países estrangeiros e...

A influência assustadora da China na liberdade de imprensa do Pacífico

Artigo relata como Beijing impôs sua censura em países estrangeiros e censurou jornalistas locais durante visita diplomática

Este artigo foi publicado originalmente em inglês pelo think tank Asia and the Pacific Policy Society

Por Shailendra Singh

Para o setor de mídia jornalística do Pacífico, a recente turnê por oito países do Pacífico Sul do ministro das Relações Exteriores da China Wang Yi pode ter terminado, mas não deve ser esquecida. A recusa do ministro e de sua delegação de “alto nível” de 20 membros em responder às perguntas dos jornalistas locais abriu uma verdadeira lata de vermes que ressoará nos círculos da mídia do Pacífico por um tempo.

No entanto, o silêncio mal-humorado de Wang não deve ser visto como um incidente isolado, mas incorporado a problemas mais profundos na liberdade da mídia e no desenvolvimento do Pacífico.

Além de lidar com seus próprios governos nacionais muitas vezes hostis e manobrar por meio de uma legislação cada vez mais restritiva, a mídia do Pacífico também está cada vez mais tendo que lidar com a pressão de elementos estrangeiros. A China é a mais proeminente a esse respeito, como ressalta a visita de Wang, mas também houve outros incidentes de obstrução de jornalistas envolvendo países como a Indonésia.

O que é particularmente assustador é como alguns governos do Pacífico parecem ter cooperado com delegações estrangeiras para impedir que a mídia nacional faça perguntas legítimas.

O ministro de Relações Exteriores da China, Wang Yi (Foto: WikiCommons)

O relato do jornalista fijiano Lice Mavono sobre até que ponto as autoridades fijianas locais limitaram a capacidade dos jornalistas de cobrir a visita de Wang é altamente preocupante. Em cenas raramente vistas antes, a coletiva de imprensa conjunta de Wang e do primeiro-ministro Frank Bainimarama foi aparentemente gerenciada por autoridades chinesas, embora estivesse em solo fijiano.

Quando alguns jornalistas desafiaram as instruções e gritaram suas perguntas não aprovadas, um oficial chinês gritou para que parassem. Um jornalista foi obrigado a sair da sala com um vigia tentando escoltá-lo para fora, mas colegas jornalistas intervieram.

Comportamento semelhante foi testemunhado na reunião organizada pelo Fórum das Ilhas do Pacífico entre Wang e o secretário-geral do Fórum, Henry Puna, onde as autoridades chinesas continuaram a obstruir os jornalistas mesmo depois que os funcionários do fórum intervieram em nome dos jornalistas.

Os esforços determinados das autoridades chinesas indicaram que eles estavam bem preparados para frustrar a mídia. Também transmitiu seu desrespeito à principal organização regional do Pacífico, a ponto de desafiar as diretrizes dos funcionários do fórum.

No entanto, o que deve ser mais preocupante para a região como um todo é a forma como esse episódio expôs a aparente capacidade das autoridades chinesas de influenciar, dominar e até mesmo dar instruções às autoridades locais.

Isso é ainda mais perturbador, pois a China está aumentando seu envolvimento com os governos do Pacífico. Consequentemente, questões de longa data sobre o impacto da China nas instituições democráticas e midiáticas da região se tornam ainda mais urgentes.

De fato, apenas algumas semanas após a visita de Wang, a mídia das Ilhas Salomão informou que o primeiro-ministro Manasseh Sogavare, em um diário extraordinário, anunciou que o governo assumiria o controle financeiro total da emissora estatal Solomon Islands Broadcasting Corporation (SIBC).

Há temores de que esse acordo – que atrai comparações com a emissora estatal chinesa CCTV – dê ao governo muito mais controle sobre a SIBC, potencialmente tanto editorial quanto em sua gestão diária.

Isso é preocupante, dado o antagonismo de Sogavare em relação ao SIBC, que ele acusou de dar mais tempo de antena aos críticos do governo do que aos funcionários. A veterana jornalista das Ilhas Salomão Dorothy Wikham condenou a medida, afirmando: “Agora não temos uma emissora pública”.

Manasseh Sogavare (esq.), e o primeiro-ministro chinês Li Keqiang (Foto: divulgação/fmprc.gov.cn)

Essa tendência indica a necessidade de medidas adicionais para fortalecer os direitos de mídia, entre outras coisas, aumentando a capacidade profissional dos jornalistas. Isso ocorre simplesmente porque bons jornalistas são mais conscientes e mais capazes de salvaguardar os direitos de mídia.

Para este fim, uma área que claramente precisa de trabalho é um foco maior em relatar eventos regionais de forma eficaz. À medida que as grandes potências disputam influência, e a política do Pacífico se torna cada vez mais interconectada, o que acontece em um país afetará cada vez mais os outros. Os jornalistas precisam estar cientes disso e enquadrar mais fortemente suas histórias através de uma lente regional. No entanto, isso não acontecerá sem um treinamento focado e direcionado.

Nesse contexto, a pesquisa e o desenvolvimento da mídia são um pilar da liberdade de mídia frequentemente negligenciado. Embora todos os tipos de exigências sejam feitos aos jornalistas do Pacífico e se espere muito deles, parece haver pouca consideração por seu bem-estar e pouca curiosidade sobre o que os motiva.

Para se ter uma ideia de quão atrás o Pacífico está na pesquisa de mídia, vale a pena considerar que houve apenas uma pesquisa em vários países sobre a demografia, perfis profissionais e crenças éticas dos jornalistas do Pacífico em 30 anos. Essa pesquisa recente e importante produziu dados valiosos para entender melhor a saúde da mídia do Pacífico e as capacidades dos jornalistas do Pacífico.

Por exemplo, os dados indicam que os jornalistas do Pacífico são mais inexperientes e subqualificados do que os do resto do mundo. Além disso, o Pacífico tem uma das taxas mais altas de perda de jornalistas devido, entre outras coisas, a salários pouco competitivos, uma característica dos pequenos sistemas de mídia.

Assim, enquanto os governos valorizam os jornalistas tendenciosos, eles convenientemente ignoram as condições de trabalho, treinamento, educação e experiência de trabalho que são necessários para aumentar a integridade e o desempenho.

Em outras palavras, os problemas na mídia do Pacífico não são apenas obra de elementos desonestos na mídia de notícias, eles são de natureza estrutural. Esses fatores não são ajudados pela legislação draconiana que supostamente visa a garantir a justiça, mas na verdade apenas aperta ainda mais os jornalistas já restritos.

Essa situação ressalta a necessidade de mais pesquisas, que possam identificar e oferecer soluções informadas para os problemas do setor. No entanto, bolsas de estudo e bolsas para pesquisa de mídia do Pacífico são tão raras quanto dentes de galinha.

Além disso, a visita de Wang ao Pacífico e as atividades da China na região são um alerta para a mídia regional quanto à necessidade urgente de capacitação. Quaisquer ações corretivas devem ser informadas por pesquisas e precisam considerar os problemas de maneira holística. Como vimos, as soluções de band-aid, na melhor das hipóteses, fornecem apenas alívio temporário. E, na pior das hipóteses, diagnosticam erroneamente o problema.

Este fiasco da China também é um lembrete para se preocupar com os jornalistas do Pacífico, tentar entendê-los e mostrar preocupação com seu bem-estar. Não devemos considerar os jornalistas como meros instrumentos contundentes de reportagem. Em vez disso, uma mídia livre e democrática é a força vital de um Pacífico livre e democrático.

FONTE: AREFERENCIA.COM | EDIÇÃO: REDAÇÃO GRUPO M4

UMA MARCA DO GRUPO

*CURTA A NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK, SIGA-NOS NO INSTAGRAM E TWITTER, COMPARTILHE AS NOSSAS PUBLICAÇÕES*

*Instagram* - https://www.instagram.com/tribunadobrasil/

*Facebook* - https://web.facebook.com/tribunadobrasil.BR/

*Twitter* - https://twitter.com/tribunabrasilBR

*e-Mail*: grupoM4.contato@gmail.com

#brasil #brasilia #riodejaneiro #saopaulo #ceara #bahia #minasgerais #riograndedosul #riograndedonorte #santacatarina #jornalista #andersonmiranda #noticias #grupom4 #comunicacao #producao #publicidade #tribunadobrasil #tribunadodf #alobrasilia #daquidf #eixonacional #deputadosesenadores #prefeitosevereadores #entendercondominio #folhadodf #informaconcurso #jknoticias #jornaldoentorno #maisaguasclaras #opasquimdobrasil #pautanacional  #consultarimoveis #jornalismo

Nenhum comentário

Obrigado por contribuir com seu comentário! Ficamos felizes por ser nosso leitor! Seja muito bem vindo! Acompanhe sempre as nossas notícias! A equipe Tribuna do Brasil agradece!

Oferecimento Tribuna do Brasil & Agência Brasil