Page Nav

HIDE

Latest Posts

TRUE
{fbt_classic_header}

DISPONÍVEL

Últimas Notícias:

latest

CLDF-TV

TBR | Rússia faz declarações antissemita e abala relações com Israel

Ataque antissemita da Rússia a Israel é chocante e deliberado Artigo destaca declaração de Lavrov sobre o nazismo e expõe o quanto ela tende...

Ataque antissemita da Rússia a Israel é chocante e deliberado
Artigo destaca declaração de Lavrov sobre o nazismo e expõe o quanto ela tende a comprometer as relações entre Israel e Rússia

Diplomata experiente e homem educado, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, sabia perfeitamente bem o que estava dizendo quando explodiu em um discurso sobre judeus, antissemitas e Hitler em uma entrevista nesta semana na TV italiana. Não foi um lapso de língua nem um erro, nem ninguém no Kremlin está pedindo para corrigir o registro sobre o que ele disse ou pedir desculpas por eles.

Os comentários de Lavrov foram um dos cruzamentos mais claros da Rússia de uma linha vermelha revisionista desde que invadiu a Ucrânia. Ele declarou: “E se Zelensky for judeu? O fato não nega os elementos nazistas na Ucrânia. Acredito que Hitler também tinha sangue judeu. Isso não significa absolutamente nada… os antissemitas mais ardentes geralmente são judeus.”

Lavrov provocou indignação imediata em Israel e muito além, com autoridades israelenses chamando seus comentários de falsidade “imperdoável”, enraizada em erros históricos e teorias de conspiração delirantes, que degradaram os horrores do Holocausto nazista e transformaram vítimas em perpetradores. Mas o Ministério das Relações Exteriores da Rússia dobrou: para Moscou, as repreensões “explicam em grande medida por que o atual governo israelense apoia o regime neonazista em Kiev“.

Quem quer que em Israel tenha pensado que não havia problema em ficar quieto enquanto Putin e seus assessores comparavam em série Volodymyr Zelensky, um presidente judeu da Ucrânia, a um nazista e justificavam uma guerra sangrenta contra Kiev usando o horrendo termo ao estilo de Goebbels “desnazificação”, deve enfrentar a realidade. O Kremlin não tem nenhum problema em abater nenhuma vaca sagrada.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, e seu chanceler, Sergei Lavrov

Quando Putin e seu leal servo Lavrov precisam justificar a cruzada contra um presidente ucraniano que por acaso é judeu, qualquer comparação, metáfora, hipérbole ou libelo de sangue é suficiente. Nada – de fatos a normas humanas básicas – é sagrado: neste Putinverso, os ucranianos estão matando colegas ucranianos em Mariupol, Bucha e Irpin “porque são nazistas”, os judeus são “os piores antissemitas” e nas veias de Hitler corria “sangue judeu. “

O establishment israelense ficou genuinamente indignado com essas declarações e, para muitos, foi um choque, um desvio acentuado do que é comumente descrito aqui como “filossemitismo de Putin”. Mas, para os falantes de russo em Israel, Ucrânia e Rússia, não havia nada de novo.

Ao mesmo tempo, o poeta trovador russo Vladimir Vysotsky cantava uma canção satírica sobre como os judeus estavam em toda parte, refletindo o que costumava ser o esporte nacional na União Soviética – avistar judeus e maravilhar-se com seu poder e influência. Naqueles dias, o antissemitismo costumava ser parte integrante da política oficial soviética, e os judeus eram mantidos longe de universidades e locais de trabalho de prestígio porque automaticamente não conseguiam passar no “perfil de segurança”.

Desde o colapso da União Soviética, o antissemitismo na Rússia certamente não desapareceu, mas por um tempo não foi integrado a uma política oficial. A Rússia queria manter laços estreitos com Israel – um aliado próximo dos Estados Unidos, e Moscou também “precisava” dos judeus, para promover uma imagem específica: a de uma nação vitoriosa que libertou os campos de extermínio da Segunda Guerra Mundial e salvou o mundo da Bacilo nazista, construindo uma sociedade inclusiva enquanto o Ocidente estava sendo novamente infectado pelo nazismo.

O Estado russo permitiu que as comunidades judaicas na Rússia florescessem, particularmente aquelas lideradas pelo movimento ultraortodoxo Chabad; recebeu concertos especiais de Hannukah no Kremlin e marcou o Dia Internacional em Memória do Holocausto.

Ao mesmo tempo, não impediu que os piores antissemitas, que eram muito próximos do Kremlin, espalhassem mentiras cruéis – por exemplo, sobre os planos ucranianos de reassentar judeus em Donbass, ou que a Rússia estava sendo forçada a intervir antes que a Ucrânia construísse “campos de concentração” e começasse a “matar pessoas com gás”.

Como prova do poder intimidatório do filossemitismo de Putin, deve-se notar que nenhuma grande organização judaica na Rússia se atreveu a denunciar as palavras de Lavrov.

Em tempos de crise – por exemplo, quando um avião de inteligência russo foi derrubado na Síria (um ataque inicialmente atribuído a Israel, mas depois exposto como um erro pelos sistemas de defesa aérea sírios) – ou apenas ressentimento, por exemplo, quando o ginasta israelense Linoy Ashram venceu a medalha de ouro da ginástica rítmica nas Olimpíadas de Tóquio, encerrando o monopólio de 20 anos da Rússia, a janela de Overton muda com uma velocidade assustadora.

As redes sociais ficaram subitamente cheias de malícia antissemita, o termo “Estado judeu” tornou-se uma acusação, enquanto os judeus mais uma vez se tornaram “Zhidi”, o insulto russo comum que, por um tempo, se tornou impróprio na praça pública. Após um terrível incêndio em 2018 em um centro comercial de Kemerovo, vários círculos cristãos argumentaram que os judeus estavam por trás da tragédia, pois coincidia com um feriado judaico. Círculos ortodoxos russos ultranacionalistas, que desfrutam de acesso crescente ao Kremlin, há muito tempo propagam teorias de conspiração antissemitas.

Naftali Bennett, premiê de Israel, e Vladimir Putin, presidente da Rússia

Curiosamente, hoje em dia, a propaganda de Putin costuma comparar a perseguição aos russos à dos judeus, como uma forma de supercessionismo. Um cantor pró-Kremlin, Shnurov, até produziu uma nova música chamada “No Entry: Russians and Dogs“, que apresentava as linhas imortais: “Um russo agora é como um judeu em Berlim em 1940… Os russos são os novos Zhids. Você quer todos nós para queimar em um forno!”.

Vladimir Solovyev, o principal propagandista do Kremlin e sujeito das sanções da União Europeia (UEO, argumenta que os “europeus” estão “processando-o por ser judeu”. Muitas figuras pró-Putin reclamam abertamente que os judeus “originais” são obstinadamente cegos ao que chamam de nazismo ucraniano, e até têm a ousadia de protestar contra a “operação militar especial” para “desnazificar” a Ucrânia.

A tensão entre a Rússia e Israel tem aumentado nos dois meses desde a invasão. A propaganda da TV russa condena os judeus russos que “deixaram sua pátria em uma hora crítica e agora estão se escondendo em Israel” e lista artistas e jornalistas, tanto na Rússia quanto no exterior, críticos da guerra (ou em sua linguagem do Kremlin, “incitando o ódio contra russos”), mencionando explicitamente que todos eles têm nomes judeus.

Mas as declarações de Lavrov significavam que Israel não tinha escolha a não ser reagir e eles não mediram suas palavras. Então, a saga de Lavrov, que foi muito barulhenta para ser ignorada, realmente terá um efeito tangível na política de Israel em relação à Rússia e à Ucrânia?

Dado que a principal razão de Israel para manter seu equilíbrio com a Rússia era a segurança nacional, especificamente em relação à Síria, ao norte, onde a Rússia controla o espaço aéreo e poderia interferir à vontade nas operações de Israel contra o Hezbollah e o Irã, é seguro supor que, pelo menos por enquanto, não haverá grandes mudanças nesta política.

Embora Israel tenha que lidar com os insultos de Lavrov, ainda é difícil imaginar que amanhã Jerusalém começará a fornecer armas para a Ucrânia, introduzir sanções contra empresas ou indivíduos russos ou, apesar do chamado de Zelensky, chamar de volta seu enviado em Moscou. O medo de desafiar a Rússia ainda existe e, dada a crise de coalizão sempre latente em Israel, abrir uma nova frente com Moscou dificilmente é uma alta prioridade para o primeiro-ministro de Israel.

Ao mesmo tempo, não há dúvida de que as tensões entre a Rússia e Israel aumentarão. Além de seu flagrante abuso do Holocausto e antissemitismo, Moscou está jogando com Israel em outras frentes paralelamente, para ganhar vantagem: reafirmando seu apoio ao caso palestino, repreendendo a atividade israelense na Síria. Com o tempo, há poucas dúvidas de que Moscou imporá mais exigências e restrições. A igreja de Santo Alexandre, uma propriedade que a Rússia vê na Cidade Velha de Jerusalém, pode se tornar um novo pomo da discórdia.

Enquanto Israel esperava que pudesse de alguma forma continuar satisfazendo tanto a Rússia quanto a Ucrânia, parece que Moscou espera nada menos do que obediência completa e, mesmo assim, o Kremlin continuará usando o cartão judaico de qualquer maneira que atenda às suas necessidades.

Alla Gerber, fundadora e chefe do Centro Russo de Pesquisa e Holocausto Educacional, uma vez me disse que o antissemitismo na Rússia é como um trem parado nos desvios: não está em serviço ativo hoje, mas, quando há necessidade de recorrer a ele, o trem pode acelerar muito rapidamente.

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no jornal israelense Haaretz | Por Ksenia Svetlova

FONTE: AREFERENCIA.COM | EDIÇÃO: REDAÇÃO GRUPO M4

UMA MARCA DO GRUPO

*CURTA A NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK, SIGA-NOS NO INSTAGRAM E TWITTER, COMPARTILHE AS NOSSAS PUBLICAÇÕES*

*Instagram* - https://www.instagram.com/tribunadobrasil/

*Facebook* - https://web.facebook.com/tribunadobrasil.BR/

*Twitter* - https://twitter.com/tribunabrasilBR

*e-Mail*: grupoM4.contato@gmail.com

#brasil #brasilia #riodejaneiro #saopaulo #ceara #bahia #minasgerais #riograndedosul #riograndedonorte #santacatarina #jornalista #andersonmiranda #noticias #grupom4 #comunicacao #producao #publicidade #tribunadobrasil #tribunadodf #alobrasilia #daquidf #eixonacional #deputadosesenadores #prefeitosevereadores #entendercondominio #folhadodf #informaconcurso #jknoticias #jornaldoentorno #maisaguasclaras #opasquimdobrasil #pautanacional  #consultarimoveis #jornalismo


Nenhum comentário

Obrigado por contribuir com seu comentário! Ficamos felizes por ser nosso leitor! Seja muito bem vindo! Acompanhe sempre as nossas notícias! A equipe Tribuna do Brasil agradece!

BREAKING NEWS - SINDIMOVEIS DF

BREAKING NEWS - CRECI DF

BREAKING NEWS - Entender Condomínio

BREAKING NEWS - Atualidade Política

BRB-AVANÇA DF