FALSE

Latest Posts

TRUE
{fbt_classic_header}

Últimas Notícias:

latest

Destaque TOPO - 970x250 - Colégio Objetivo

"ALIANÇA MALDITA": Rússia e Coréia do Norte de aproximam e coloca em check a paz mundial

Não é nenhum mistério o que Vladimir Putin quer de Kim Jong-un Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site da rede CNN Por Fri...

Não é nenhum mistério o que Vladimir Putin quer de Kim Jong-un

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site da rede CNN


Por Frida Ghitis

Quando o ditador norte-coreano Kim Jong-un chegou à região do Extremo Oriente da Rússia, na terça-feira (12), no trem verde blindado do seu avô, a caminho de se encontrar com o presidente russo Vladimir Putin, ajudou a sublinhar dois fatos importantes sobre a guerra não provocada de Putin contra a Ucrânia.

Em primeiro lugar, Putin transformou o que outrora foi um exército (e país) poderoso e respeitado num país que se reduz a buscar ajuda de um Estado empobrecido que dificilmente consegue alimentar o seu próprio povo. É um exercício humilhante para um Putin diminuído, que se compara ao czar Pedro, o Grande, do século XVIII, e não transmite um grande imagem da Rússia, hoje profundamente manchada.

Em segundo lugar, a guerra da Rússia contra a Ucrânia está tornando o mundo inteiro mais perigoso. Mais de 18 meses depois, a Rússia está agora cortejando um regime que atacou o vizinho várias vezes e dispara regularmente todos os tipos de mísseis perigosos na região, sendo os mais recentes episódios há apenas alguns dias; uma nação marginalizada que provavelmente emergirá ainda mais ameaçadora depois de negociar com Putin.

O Kremlin tem trabalhado para tirar a poeira e reavivar a sua antiga relação da Guerra Fria com a dinastia totalitária de Pyongyang desde que os seus planos para conquistar a Ucrânia em poucos dias falharam. Já no ano passado, a Coreia do Norte fornecia projéteis de artilharia e foguetes à Rússia, segundo autoridades norte-americanas.

Mas, à medida que a guerra se arrasta, continuará a esgotar os arsenais da Rússia, ao mesmo tempo que as sanções internacionais contra o invasor ucraniano tornam mais difícil o aumento da produção. E isso é uma excelente notícia para Kim.

Presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da Coreia do Norte, Kim Jong-un (Foto: kremlin.ru)

O cada vez mais isolado Putin tem procurado armamento entre outras nações párias. O Irã tornou-se um importante fornecedor de drones que matam rotineiramente civis ucranianos . (O Irã negou ter fornecido armas à Rússia, apesar das provas em contrário.) Agora, a Coreia do Norte pode estar prestes a desempenhar um papel mais importante, potencialmente ajudando a Rússia na sua guerra ilegal.

Ao que parece, Putin está construindo uma espécie de equipe de tiranos, uma associação ad hoc de regimes repressivos, governos de países onde os cidadãos estão privados de muitos dos direitos que grande parte do mundo considera garantidos. Lugares onde críticos reais e supostos do regime morrem em circunstâncias misteriosas – contatando outros ditadores, um por um, enquanto procura ajuda para esmagar a independência da Ucrânia.

A China, aliás, outro regime repressivo, está geralmente do lado deste bloco incipiente, mas tem desempenhado um papel relutante. Continuou a apoiar, mas não entregou grandes quantidades de armas a Moscou. Para a Coreia do Norte, os laços crescentes com o Kremlin proporcionam a oportunidade de pressionar tacitamente Beijing – o seu outro amigo – por mais apoio.

O que Moscou quer de Pyongyang não é um mistério. Quando o secretário da Defesa Sergei Shoigu viajou para a Coreia do Norte em julho, a primeira visita de um secretário da Defesa russo em mais de 30 anos, ele visitou uma exposição de armas e disse que os dois países realizariam jogos de guerra conjuntos. “Estes são os nossos vizinhos ”, disse ele, acrescentando que “é melhor viver com os seus vizinhos em paz e harmonia”. (Talvez ele não soubesse o que as suas forças têm feito na Ucrânia.)

Shoigu preparou o terreno para a visita desta semana e para um grande acordo militar – ou assim esperam os participantes.

A hipermilitarizada Coreia do Norte possui um grande arsenal. A Rússia supostamente quer principalmente projéteis de artilharia e mísseis antitanque; mais poder de fogo para atacar a Ucrânia.

Mas o que Kim ganha com isso? Por que é que ele se aventura fora do país pela primeira vez em quatro anos, apenas a décima vez desde que herdou o poder em 2011?

A verdadeira vantagem desta reunião, na verdade, é para Pyongyang, e isso torna o encontro preocupante para a Coreia do Sul, para a região e para o resto do mundo.

A reunião em si concede a Kim o tipo de destaque global que ele deseja, que o fortalece em casa e aumenta a sua posição no exterior. Mas há mais do que simbolismo e de uma mensagem para a China de que Pyongyang tem opções além de Beijing.

Kim é o terceiro governante da dinastia que governa a Coreia do Norte desde a Segunda Guerra Mundial, quando seu avô foi empossado sob os auspícios soviéticos da era Stalin. Os Kim reforçaram sistematicamente o seu domínio sobre o seu país, estabelecendo um dos regimes mais repressivos do mundo, com enormes campos de prisioneiros onde ocorrem trabalhos forçados, tortura e fome. O regime nega a sua brutalidade bem documentada.

Enquanto a economia do país e a capacidade de se sustentar diminuíam, os Kim esbanjaram gastos enormes com o exército, trabalhando obsessivamente para construir o arsenal nuclear do país, juntamente com a capacidade de utilizar armas atómicas.

Além do que fez à sua própria população, o regime estabeleceu um histórico de agressão implacável, atacando e ameaçando repetidamente a Coreia do Sul. Há apenas algumas semanas, a Coreia do Norte disse ter lançado uma simulação de “terra arrasada” de um ataque nuclear e que estava ensaiando uma ocupação da Coreia do Sul. As suas manobras militares nem sempre foram ensaios.

As sanções internacionais – incluindo as sanções da ONU que a própria Rússia apoiou – e as alianças militares reduziram a capacidade de Kim de atacar os seus vizinhos. Mas agora Putin parece precisar dele, e não está claro até que ponto o líder russo está disposto a ajudá-lo a contornar essas restrições, agora que os dois inimigos do Ocidente têm ainda mais em comum, estando na ponta das sanções internacionais.

Na semana passada, quando a inteligência dos EUA revelou que ocorria uma reunião entre os dois líderes, e o conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan descreveu as discussões da Rússia com Pyongyang como “imbuídas de uma intensidade crescente”, as autoridades dos EUA alertaram a Coreia do Norte contra armar a Rússia. Sullivan disse que a Coreia do Norte “pagará um preço” se fizer um acordo de armas com Moscou. Mas é difícil imaginar que influência adicional Washington terá para pressionar um país já sujeito a duras sanções.

Diz-se que Kim está à procura de tecnologia de satélite e de submarino nuclear e também pode querer que a tecnologia russa ajude a acelerar o programa de mísseis balísticos da Coreia do Norte, o que poderia permitir ao país lançar ogivas nucleares até contra os Estados Unidos.

Em suma, as repercussões prejudiciais da busca desesperada de Putin para vencer a sua guerra totalmente desnecessária contra a Ucrânia – que já agravou uma crise alimentar nos países pobres – chegaram agora à Ásia Oriental e poderão muito bem fazer de um dos países mais perigosos do mundo uma ameaça ainda maior para os seus vizinhos e para o resto do globo.

Para os países que acreditam que a guerra na Ucrânia é apenas mais um problema distante, este é um lembrete útil das crescentes consequências da guerra de Putin.

Fonte: areferencia.com

Nenhum comentário

Obrigado por contribuir com seu comentário! Ficamos felizes por ser nosso leitor! Seja muito bem vindo! Acompanhe sempre as nossas notícias! A equipe Tribuna do Brasil agradece!

Oferecimento Tribuna do Brasil & Agência Brasil