Page Nav

HIDE

Latest Posts

TRUE
{fbt_classic_header}

GDF - CAMPANHA AMAMENTAÇÃO

Últimas Notícias:

latest

Destaque TOPO - 970x250 - GRUPO M4

TBR | Governo chinês cresce e XI JINPING pode se tornar tão dominante quanto Mao Tsé-Tung

O Imperador Xi Jinping Artigo diz que a ampliação do governo do presidente quebra a tradição comunista e leva a China de volta aos tempos do...

O Imperador Xi Jinping
Artigo diz que a ampliação do governo do presidente quebra a tradição comunista e leva a China de volta aos tempos do Império

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site The Atlantic | Por Michael Schuman

Bolsonaro e Xi Jinping apertam as mãos na visita de Estado do presidente brasileiro à China em outubro de 2019 | Foto: Créditos à Isac Nóbrega/PR

Ao longo de mais de dois milênios, os imperadores da China imperial foram os pontos focais do Estado e da veneração do público e as figuras centrais de um sistema sinocêntrico de relações exteriores. À medida que o império chinês está crescendo novamente, o mesmo acontece com um novo imperador. O atual governante da China, Xi Jinping, provavelmente será elevado a estatura semelhante no 20º Congresso do Partido Comunista Chinês (PCC) em Beijing, que começa no domingo (16). Essas reuniões políticas, realizadas a cada cinco anos, são usadas para finalizar a formação da liderança sênior do partido, revelando à nação e ao mundo os vencedores das disputas de bastidores e da competição acirrada. Desta vez, espera-se que Xi, secretário-geral do Partido Comunista desde 2012 e presidente do país desde 2013, se desvie do precedente moderno e reivindique um terceiro mandato. Isso o colocaria no comando até 2027, mas ele poderia muito bem governar indefinidamente.

Se os eventos se desenrolarem como previsto, Xi emergirá do congresso como a figura mais dominante na política chinesa desde Mao Tsé-Tung, que governou quase sem contestação desde a fundação da República Popular, em 1949, até sua morte 27 anos depois. No entanto, o evento será mais como uma coroação do que uma conferência partidária.

Embora as comparações entre Xi e Mao sejam inevitáveis, o líder da China hoje se assemelha, em muitos aspectos, mais a um imperador imperial do que a um revolucionário marxista. Mao desejava derrubar a ordem estabelecida, tanto em casa quanto no exterior, e fomentou convulsões políticas e sociais para alcançar seus objetivos. A agenda de Xi está muito mais próxima da da China imperial. Ele pretende restaurar a nação como potência dominante na Ásia no centro de um novo sistema sinocêntrico, de natureza semelhante à posição que ocupou na região sob as dinastias.

Xi Jinping no discurso do centenário do Partido Comunista Chinês (Foto: divulgação/cpc.people.com.cn)

Esse legado histórico mais antigo pode ser o melhor guia para entender as ambições de política externa de Xi. Durante séculos, as dinastias chinesas formaram o centro político, econômico e cultural da Ásia Oriental. Sua influência se estendeu aos horizontes distantes através do comércio. Xi está procurando reconstruir esses laços de influência e está adotando as ferramentas dos imperadores para alcançar seu objetivo. Mesmo na antiguidade, os imperadores afirmavam que seus escritos abarcavam “tudo debaixo do céu”. Usando a tecnologia do século 21, Xi tem a oportunidade de transformar a retórica antiga em realidade moderna.

A ambição de Xi pode soar fantástica para os ouvidos ocidentais – o equivalente ao novo primeiro-ministro italiano que aspira a reconstruir o império romano. Mas, no contexto da China, não. Uma característica notável da história chinesa é a frequência com que a elite conseguiu restaurar o poder imperial. Em muitas ocasiões ao longo de milênios, a China colapsou em desordem política ou sucumbiu a invasões estrangeiras. No entanto, uma e outra vez, um líder surgiu para fundar uma nova dinastia e reconstruir o império.

A ascensão atual da China se encaixa nessa varredura da história chinesa. O próprio Xi vê assim. Ele colocou o que chama de “Sonho Chinês” de rejuvenescimento nacional dentro deste épico. “A China costumava ser uma potência econômica mundial”, explicou certa vez. “No entanto, perdeu sua chance na esteira da Revolução Industrial e as consequentes mudanças dramáticas e, portanto, foi deixada para trás.” Mas, nos últimos tempos, “a China ganhou respeito mundial com seus esforços de um século” para reviver sua força, continuou ele. “Seu prestígio continua aumentando e sua influência continua se expandindo.”

E assim como os antigos imperadores, Xi acredita que a antiga civilização da China e as conquistas modernas se combinam para dar à atual dinastia comunista o direito de ser uma potência mundial. Ele argumentou que “a gloriosa história de cinco mil anos da nação chinesa”, juntamente com o “milagre” do rápido desenvolvimento alcançado pelo Partido Comunista, “já declararam ao mundo com fatos indiscutíveis que estamos qualificados para ser um líder”.

Este império chinês ressuscitado requer um novo soberano. No antigo sistema imperial tingido de confucionismo, o imperador estava acima de reis e chefes comuns como o Filho do Céu, que possuía o direito divino de governar. Na concepção ideal, o imperador deveria ser sábio, justo e virtuoso, trazendo harmonia e prosperidade ao reino e ao mundo.

Hoje, o moderno exército de escribas do Estado apresenta Xi apenas como esse tipo de governante benevolente. Em sua narrativa, a virtude altruísta de Xi, por exemplo, reprimiu a pandemia de coronavírus do país. A Xinhua, agência de notícias oficial da China, informou que Xi “se dedicou a liderar os esforços de controle da epidemia” e “assumiu a pesada responsabilidade de combater a epidemia”, citando-o dizendo que “a vida é de suma importância”. Xi também é caracterizado como um sábio de eminência histórica, trazendo paz ao mundo. O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, afirmou em abril que Xi, em uma recente iniciativa diplomática, ofereceu “respostas a perguntas de nossos tempos” que contribuíram com “a sabedoria da China para os esforços da humanidade”.

A China moderna, é claro, é uma ditadura comunista, não uma monarquia hereditária. Em teoria, os imperadores tinham autoridade ilimitada – o imperador Kangxi da Dinastia Qing, que reinou de 1661 a 1722, descreveu seus poderes como “dar vida às pessoas e matar pessoas”, enquanto Xi está cercado pelas armadilhas do Estado comunista, como uma Constituição. Na prática, Xi governa como os antigos imperadores. Sob Xi, o governo está assumindo características das cortes imperiais. Xi concentrou tanto poder em sua pessoa que reina não muito diferente de um imperador. Suas declarações instantaneamente se tornam política, e os funcionários do Estado, a versão moderna dos cortesãos reais, saltam para cumprir seus desejos. Se Xi é constrangido por políticas internas e facções concorrentes, o mesmo aconteceu com os imperadores, que deveriam governar em colaboração com seus conselheiros confucionistas. No início de sua presidência, Xi de fato se interessou pelas ideias confucionistas, enchendo seus discursos de ensinamentos da filosofia e até visitando a cidade natal de Confúcio, Qufu, na província de Shandong, embora essa inclinação tenha caído em favor das mensagens socialistas.

A política externa de Xi também se tornou mais parecida com a dos imperadores. As cortes imperiais percebiam o mundo como uma hierarquia de povos, com a China no topo como uma grande civilização. As relações entre o Filho do Céu e governantes estrangeiros nunca poderiam ser iguais: os imperadores consideravam outros monarcas “vassalos” que deveriam enviar missões de tributo reconhecendo o status superior da China. Qualquer um que desafiasse essas regras cerimoniais poderia se ver isolado do comércio e da generosidade imperial.

A diplomacia moderna de Xi está assumindo aspectos desse sistema. As nações que não seguem as regras, como Beijing as define, enfrentam sanções econômicas que negam a seus negócios o acesso ao mercado chinês. As autoridades da China proibiram certos produtos ou assediaram empresas da Austrália, Coreia do Sul, Lituânia e Canadá nos últimos anos para obrigar seus políticos a alinhar suas políticas com os interesses de Beijing. Os diplomatas da China apresentaram listas de demandas aos EUA e à Austrália, esperando que eles se submetessem aos desejos de Beijing para melhorar as relações. Xi está tentando impor suas próprias regras e normas de diplomacia para remodelar a ordem global e colocar a China no centro.

Encontro de chefes de Estado que participam da Nova Rota da Seda em 2019 (Foto: RIA Novosti)

Um dos programas de estimação de Xi, a Nova Rota da Seda (BRI, na sigla em inglês, de Belt And Road Initiative), se parece muito com o antigo sistema imperial de tributos e comércio. Outros países que participam do programa obtêm acesso à munificência chinesa para ajudá-los a construir infraestrutura; aqueles que não se enquadram têm a recompensa de Beijing negada. Xi realizou dois fóruns da BRI para os quais os líderes estrangeiros e seus representantes deveriam viajar a Beijing e reconhecer a generosidade de Xi, bem como as antigas missões de tributo. Michael Sobolik, membro do Conselho de Política Externa Americana e autor de um próximo livro sobre a Nova Rota da Seda, me disse que o programa “é a mais recente aposta da China para fazer o que vem tentando fazer há milhares de anos: alinhar suas status com sua grandeza civilizacional”.

Também na política econômica, o programa de Xi ecoa os das dinastias posteriores. Os imperadores estavam felizes em exportar produtos chineses valiosos, luxos como porcelana e chá, mas tinham pouco interesse em importar produtos feitos no exterior e geralmente exigiam moeda forte em troca. “Nosso Império Celestial possui todas as coisas em abundância prolífica e não carece de produtos dentro de suas próprias fronteiras”, escreveu um imperador Qing ao rei George III da Grã-Bretanha no final do século 18. “Portanto, não havia necessidade de importar as manufaturas de bárbaros de fora”. Xi parece sentir o mesmo. Embora tenha continuado a promover as exportações chinesas de alta tecnologia, como veículos elétricos e smartphones, intensificou uma campanha de “autossuficiência” para substituir as importações estrangeiras por alternativas caseiras. “Como um grande país com uma população de 1,4 bilhão, a China deve ser basicamente autossuficiente na produção de alimentos e no desenvolvimento industrial. Nunca devemos esquecer isso”, disse ele uma vez.

Estudiosos confucionistas têm refletido sobre um bom governo por 2,5 mil anos, mas nunca descobriram o que fazer com um mau imperador. Confúcio passou grande parte de sua vida tentando conquistar barões para suas ideias sobre um governo benevolente por meio da educação e exortação. Quando falhava com alguém, ele se retirava para procurar outro mais digno. “Mostre-se quando o caminho moral for evidente”, ele aconselha nos Analectos. “Busque reclusão quando não estiver”. Seus seguidores escolheram acreditar que o céu retiraria o favor do líder cruel ou ganancioso e concederia seu mandato a um novo e mais iluminado.

Atualmente, apenas a intervenção divina parece impedir a coroação de Xi. Embora a China esteja em condições miseráveis, com a economia caindo sob os controles anti-Covid de Xi, seus asseclas ainda estão agindo como cortesãos imperiais. Este congresso pode muito bem encher os altos escalões do partido ainda mais densamente com os leais a Xi. O complexo de liderança do governo comunista em Beijing, Zhongnanhai, se assemelha cada vez mais a um palácio imperial onde os favoritos reais disputam cargos e títulos.

As mudanças políticas provocadas pela unção de Xi terão implicações duradouras para o futuro da China. Xi é um imperador sem herdeiro. Como em qualquer monarquia, isso pode ser uma receita para intrigas e dissensões. A política comunista sempre careceu de transparência e alimentou a violência. Xi pode estar inaugurando uma era ainda mais controversa e incerta, na qual vários quadros disputam para se tornar o legítimo sucessor do imperador. A formulação de políticas também está se tornando mais imprevisível, já que o novo imperador, como o antigo, insiste que todas as suas declarações têm força de lei. Isso alterou a direção do governo chinês de forma a tornar menos provável que Xi ressuscite com sucesso o império chinês que ele deseja.

Xi, no entanto, continuará sua busca por uma nova ordem na qual os vizinhos da China na Ásia se tornem novamente vassalos de Beijing, com a China ditando os termos de suas interações com o resto do mundo. De acordo com o sonho neo-imperial, a glória deste novo Filho do Céu se irradiará pelo mundo, afastando a influência dos bárbaros ocidentais. “Aonde quer que as pegadas dos seres humanos cheguem”, escreveu um estadista da dinastia Han no século II a.C., “o que há que não seja a sede do Filho do Céu?”. O mundo pode ter que fornecer uma resposta.

FONTE: AREFERENCIA.COM | EDIÇÃO: REDAÇÃO GRUPO M4

UMA MARCA DO GRUPO

*CURTA A NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK, SIGA-NOS NO INSTAGRAM E TWITTER, COMPARTILHE AS NOSSAS PUBLICAÇÕES*

*Instagram* - https://www.instagram.com/tribunadobrasil/

*Facebook* - https://web.facebook.com/tribunadobrasil.BR/

*Twitter* - https://twitter.com/tribunabrasilBR

*e-Mail*: grupoM4.contato@gmail.com

#brasil #brasilia #riodejaneiro #saopaulo #ceara #bahia #minasgerais #riograndedosul #riograndedonorte #santacatarina #jornalista #andersonmiranda #noticias #grupom4 #comunicacao #producao #publicidade #tribunadobrasil #tribunadodf #alobrasilia #daquidf #eixonacional #deputadosesenadores #prefeitosevereadores #entendercondominio #folhadodf #informaconcurso #jknoticias #jornaldoentorno #maisaguasclaras #opasquimdobrasil #pautanacional  #consultarimoveis #jornalismo


Nenhum comentário

Obrigado por contribuir com seu comentário! Ficamos felizes por ser nosso leitor! Seja muito bem vindo! Acompanhe sempre as nossas notícias! A equipe Tribuna do Brasil agradece!

Oferecimento Tribuna do Brasil & Agência Brasil