Page Nav

Classic Header

{fbt_classic_header}

Destaques:

latest

ARTIGO & OPINIÃO - Oxímetro: quando é preciso ter em casa?

Aparelho que mede o nível de oxigênio no sangue ajuda a monitorar pacientes com COVID-19 em tratamento em casa, mas é preciso de orientação ...



Aparelho que mede o nível de oxigênio no sangue ajuda a monitorar pacientes com COVID-19 em tratamento em casa, mas é preciso de orientação médica  


Em janeiro de 2021, a Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu a recomendação de que pacientes com COVID-19 que estejam sendo tratados em casa usem o oxímetro de pulso para monitorar o nível de oxigênio no sangue. Desde então, as buscas na internet sobre o aparelho aumentaram muito. 

Antes de responder a essas perguntas, uma observação importante: a utilização domiciliar do oxímetro precisa ser orientada pelo médico que acompanha o caso, para garantir o uso e a leitura de resultados corretos.

O que é a oximetria de pulso?
A oximetria de pulso é uma forma de medir a saturação de oxigênio no sangue, ou seja, o quanto de oxigênio o seu sangue está transportando, comparada com o máximo da sua capacidade de transporte pelas células vermelhas sanguíneas, para o todo o corpo.

O oxigênio é o gás que permite o funcionamento das células. Quando o nível está baixo, pode causar danos a diferentes células do corpo e sobrecarregar órgãos, como coração e cérebro.

Segundo a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), a maioria das pessoas precisa de um nível de saturação, de no mínimo 89%, para manter suas células saudáveis, mas isso pode variar de acordo com a condição específica de saúde de cada pessoa. Atualmente, a recomendação de saturação mínima tolerada é de 94% como referência para o monitoramento da oximetria.

O oxímetro é um aparelho com um mecanismo que lembra um pregador de roupa para ser fixado no dedo (ou no lóbulo da orelha), de forma totalmente indolor. A partir da emissão de feixes de luz, ele consegue mensurar o nível de oxigenação no sangue e os batimentos cardíacos.

Existem dois tipos
O oxímetro de pulso portátil, também chamado de oxímetro de dedo, é o mais comum em uso doméstico. É um aparelho portátil, pequeno, movido a pilha, que mede a pulsação e o percentual de oxigênio no sangue de forma rápida. Ele mostra o resultado no visor na hora da medição, mas não grava os valores medidos.

Oxímetro de dedo
O oxímetro estacionário, também chamado apenas de oxímetro de pulso, é a versão mais completa (e mais cara) do aparelho. Com bateria de longa duração, o pregador do dedo fica conectado a um aparelho maior que registra o histórico das medições, o que permite a avaliação do monitoramento contínuo.

Oxímetro de pulso
Converse com seu médico sobre o modelo que acha mais indicado para seu caso. Além desses aparelhos, a oximetria do sangue, pode ser feita por meio de um exame de sangue chamado gasometria arterial. A partir de uma amostra de sangue arterial coletada, é possível analisar de forma mais precisa a quantidade de gases – como o oxigênio e o dióxido de carbono – presentes no sangue. Mas, a gasometria arterial é um exame mais delicado, realizado habitualmente em pacientes que estão internados.

 Preciso ter um oxímetro em casa?
A maioria das pessoas não precisa ter um oxímetro em casa. Em nota, a SBPT não orienta o uso irrestrito do oxímetro para monitorar a saturação em pessoas saudáveis e sugere que a decisão sobre usar o aparelho fique a cargo do médico. Entretanto, para pacientes portadores de COVID-19, sabe-se que a hipóxia silenciosa, ou seja, a diminuição da saturação de oxigênio sanguíneo antes do paciente se queixar de falta de ar, é frequente. Dessa forma, tem sido recomendado o monitoramento da oximetria, principalmente, para pacientes pertencentes a populações mais vulneráveis e com maior risco de complicação pela doença.

Porém, também existe o receio de profissionais de saúde que leituras equivocadas levem ao pânico desnecessário ou, pior, que a pessoa deixe de buscar atendimento, iludida por um falso bom resultado. Por isso, a aferição doméstica não é recomendada para autodiagnóstico, mas sim para acompanhamento de tratamento.

Também é muito importante saber que alguns fatores podem prejudicar a acurácia da oximetria, como por exemplo: uso de esmalte, unhas postiças, tiver as mãos frias ou circulação deficiente.

Assim, a melhor orientação para o uso adequado do oxímetro deverá partir do médico que atende o paciente e que também recomendará a leitura que indicará a necessidade de atendimento médico.

Outros sinais podem aparecer antes da insuficiência respiratória e também são indicativos de alerta para buscar atendimento médico, tais como: febre alta, dor no corpo, dor de cabeça, dor de garganta, fraqueza e tosse.

A partir da orientação médica e com monitoramento médico contínuo, a medição da saturação – feita no ambulatório ou em casa – se torna importante para avaliar a evolução da doença e necessidade de oxigênio extra ou não.

Situações em que a oximetria domiciliar costuma ser prescrita:
  1. doenças pulmonares ou cardíacas preexistentes que possam levar à queda da saturação
  2. para avaliar a eficácia de tratamentos com oxigênio suplementar
  3. para avaliar oxigenação durante exercícios físicos
  4. para viagens em altas altitudes
  5. e, mais recentemente, em casos suspeitos ou confirmados de COVID-19
Como usar o oxímetro e ler resultados?
Os oxímetros de pulso certificados são considerados razoavelmente acurados, podendo dar uma leitura 2% acima ou abaixo do valor obtido pela gasometria arterial (exame de sangue mais preciso que mede o percentual de oxigênio e dióxido de carbono no corpo).

Devido à forma que a leitura é feita, a precisão do oxímetro de pulso pode ser menor em casos de fumantes, pessoas com pele escura ou mãos muito frias. Por isso, converse sempre com seu médico sobre a melhor forma de interpretar os resultados.

Se você for orientado a ter o oxímetro para uso em casa, verifique se o dispositivo possui o selo do Inmetro e registro da Anvisa antes de comprar. Na hora de medir em casa, atenção às dicas:
  1. Medir na frequência e horários prescritos pelo médico
  2. Medir com a mão relaxada, abaixo do nível do coração
  3. Ficar parado durante a medição (3 a 5 minutos)
  4. Evitar uso de esmalte ou unhas postiças, pois podem prejudicar a leitura
  5. Em caso de tratamento domiciliar, perguntar ao médico quando deve aumentar ou diminuir o oxigênio suplementar e quando deve procurar atendimento hospitalar
  6. Caso o oxímetro caia no chão ou molhe, ele pode ter a calibração afetada. Nesses casos, deve-se consultar o fabricante
  7. Fique atento aos demais sintomas de COVID-19 e, sempre que houver qualquer dúvida, consulte um médico.

Nenhum comentário

Obrigado por contribuir com seu comentário! Ficamos felizes por ser nosso leitor! Seja muito bem vindo! Acompanhe sempre as nossas notícias! A equipe Tribuna do Brasil agradece!