Page Nav

Grid

GRID_STYLE

Classic Header

{fbt_classic_header}


 

Destaques:

latest

Classic Header

MUNDO | OTAN - Em encontro, membros da Otan classificam China e Rússia como 'ameaças'.

Em 1ª reunião presencial desde 2019, membros da Otan prometeram reforçar aliança e remodelar defesa de países ocidentais A ascensão militar ...

Em 1ª reunião presencial desde 2019, membros da Otan prometeram reforçar aliança e remodelar defesa de países ocidentais

A ascensão militar da China e as tentativas da Rússia de desestabilizar o Ocidente foram listadas como as principais ameaças contra os aliados da Otan (Organização do Tratado Atlântico Norte), nesta terça (23). O encontro, realizado em Bruxelas, é o primeiro cara a cara desde 2019.

No primeiro dia de reuniões, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, afirmou que as “crescentes ameaças e competição sistêmica” de Beijing e Moscou “exigem um reforço à união” do bloco, registrou a RFE (Radio Free Europe).

Em comunicado conjunto, os ministros da Otan afirmaram que “poderes assertivos e autoritários” desafiam a ordem internacional por meio de ameaças híbridas e cibernéticas. O grupo ainda citou o “uso malicioso de novas tecnologias e outras ameaças assimétricas”.


O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg (fundo), e o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken (centro), no início das discussões da cúpula em Bruxelas, Bélgica, 23 de março de 2021 (Foto: Divulgação/NATO)

Em contrapartida, os aliados se comprometeram com o Artigo 5 do acordo que funda a Otan: um ataque contra um aliado será um ataque a todos os integrantes do grupo. O aval indica uma nova fase de “remodelação da Otan“, demanda do presidente dos EUA, Joe Biden.

“Não haverá defesa europeia sem a Otan, e não haverá OTAN eficiente e relevante sem europeus”, disse o ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, sobre a iniciativa de reparar os laços transatlânticos, prejudicados durante o governo de Donald Trump.

O ex-presidente chegou a criticar alguns aliados por não pagarem “uma parte justa” do ônus de defesa. A aliança estipula que cada país deve gastar o equivalente a 2% de seu PIB (Produto Interno Bruto) nacional em defesa.
Afeganistão e Irã

Além de Rússia e China, boa parte da agenda desta terça-feira tratou da missão da Otan no Afeganistão. Uma onda de violência tomou o país enquanto se aproxima o prazo de retirada total das tropas dos EUA do território afegão, em 1º de maio.

Blinken afirmou que a situação está “sob revisão” e que busca uma solução com os colegas da Otan. “Entramos juntos, nos ajustamos juntos e, quando chegar a hora certa, iremos embora juntos”, disse.

O secretário de Estado também deve consultar os líderes da UE (União Europeia), Ursula von der Leyen e Josep Borrell, sobre a retomada mútua do acordo nuclear do Irã. O tratado, assinado em 2015, deve ser revisto em troca de alívio às sanções, disse a VOA (Voice of America).

O governo de Trump abandonou o acordo em 2018. Em resposta, o Irã retomou o enriquecimento de urânio, elemento usado na produção de armas nucleares. Aliados fundaram a Otan em 1949 para conter uma ameaça militar da então União Soviética. A cúpula continua nesta quarta-feira.

FONTE: AREFERENCIA.COM

EDIÇÃO:

REDAÇÃO DO GRUPO

 

Nenhum comentário

Obrigado por contribuir com seu comentário! Ficamos felizes por ser nosso leitor! Seja muito bem vindo! Acompanhe sempre as nossas notícias! A equipe Tribuna do Brasil agradece!