Page Nav

Grid

GRID_STYLE

Classic Header

{fbt_classic_header}


 

Destaques:

latest

Classic Header

MUNDO | POLÍTICA - "GOLPE CONTRA A DEMOCRACIA EM MYANMAR": golpe de estado de militares detêm a presidente eleita Aung San Suu Kyi e o presidente Win Myint.

FOTO: REUTERS O secretário-geral da ONU, António Guterres, exortou a comunidade mundial a garantir que o golpe de segunda-feira em Mianmar f...


FOTO: REUTERS

O secretário-geral da ONU, António Guterres, exortou a comunidade mundial a garantir que o golpe de segunda-feira em Mianmar fracasse.

A reversão das eleições é "inaceitável", disse ele, e os líderes golpistas devem ser feitos para entender que não é uma maneira de governar o país.

O Conselho de Segurança da ONU está discutindo uma possível declaração, mas a China deve bloquear qualquer tipo de palavra que condene o golpe.

A líder eleita Aung San Suu Kyi foi detida quando o exército tomou o poder.

A polícia em Mianmar - também conhecida como Birmânia - posteriormente entrou com várias acusações contra Suu Kyi, que está sob custódia até 15 de fevereiro.

Nem a Sra. Suu Kyi nem o presidente deposto Win Myint foram ouvidos desde a aquisição.

O golpe, liderado pelo chefe das forças armadas Min Aung Hlaing, viu a instalação de uma junta de 11 membros.

Os militares, que declararam estado de emergência de um ano, procuraram justificar sua ação alegando fraude nas eleições de novembro passado, que a Liga Nacional para a Democracia (NLD) de Suu Kyi venceu de forma decisiva.

Houve relatos de que os militares ordenaram o bloqueio do Facebook , alegando que a plataforma de mídia social estava "perturbando a restauração da estabilidade".

Na quinta-feira, os usuários disseram que não conseguiram acessá-lo. Uma página do Facebook criada para coordenar a oposição ao golpe teve dezenas de milhares de curtidas.

'Absolutamente inaceitável'

O secretário-geral da ONU pediu o restabelecimento da ordem constitucional em Mianmar. Ele disse esperar que haja unidade no Conselho de Segurança sobre o assunto.

"Faremos tudo o que pudermos para mobilizar todos os atores-chave da comunidade internacional para colocar pressão suficiente sobre Mianmar para garantir que este golpe fracasse", disse ele.

Panelas, frigideiras e buzinas de carro soam em protesto anti-golpe

“É absolutamente inaceitável reverter o resultado das eleições e a vontade do povo."

"Espero que seja possível fazer com que os militares em Mianmar entendam que esta não é a forma de governar o país e não é a maneira de avançar."

Os países ocidentais condenaram o golpe sem reservas, mas os esforços do Conselho de Segurança para chegar a uma posição comum falharam com a dissidência da China. A China é um dos cinco membros permanentes com direito de veto no conselho.

Há muito tempo Pequim desempenha o papel de proteger o país do escrutínio internacional e advertiu, desde o golpe, que as sanções ou pressões internacionais só vão piorar as coisas.

Ao lado da Rússia, o país protegeu repetidamente Mianmar das críticas da ONU sobre a repressão militar contra a minoria muçulmana Rohingya.

O paradeiro de Suu Kyi não é claro.


Foi relatado que a líder civil de Mianmar, Aung San Suu Kyi, está detida em sua residência na capital, Nay Pyi Taw.

Ela enfrenta acusações que incluem violação das leis de importação e exportação e posse de dispositivos de comunicação ilegais.

As acusações constam de um documento policial - chamado de Primeiro Relatório Inicial - apresentado a um tribunal.

Ela foi mantida sob custódia "para interrogar testemunhas, solicitar provas e procurar aconselhamento jurídico após interrogar o réu", diz o documento.

O presidente Win Myint é acusado, de acordo com a Lei Nacional de Gestão de Desastres, de se reunir com apoiadores em uma carreata de 220 veículos durante a campanha eleitoral, violando as restrições da Covid.

Aung San Suu Kyi: o básico

FOTO: REUTERS

Alcançou proeminência internacional na década de 1990, enquanto fazia campanha para restaurar a democracia em Mianmar durante décadas de ditadura militar.

Passou quase 15 anos na prisão entre 1989 e 2010, depois de organizar manifestações pedindo reformas democráticas pacíficas e eleições livres.

Recebeu o Prêmio Nobel da Paz enquanto estava em prisão domiciliar em 1991.

Liderou seu partido NLD à vitória na primeira eleição abertamente contestada em Mianmar em 25 anos em 2015.

Reputação manchada pelo fracasso em condenar a campanha militar que viu mais de meio milhão de civis da minoria muçulmana Rohingya buscar refúgio em Bangladesh

Ativistas pedem desobediência civil

Até agora, houve poucos sinais de grande protesto em Mianmar. Na terça e quarta-feira à noite, os motoristas tocaram suas buzinas na principal cidade, Yangon (também conhecida como Rangoon), e os moradores bateram nas panelas.

O país parecia calmo após o golpe, com tropas em patrulha e um toque de recolher noturno em vigor.

No entanto, os hospitais viram protestos. Muitos médicos pararam de trabalhar ou continuaram usando símbolos de desafio para se opor à supressão da democracia de curta duração de Mianmar.

Os manifestantes dizem que estão pressionando pela libertação de Suu Kyi.

Eles estão usando fitas vermelhas ou pretas para significar resistência, e foram fotografados fazendo a saudação de três dedos conhecida dos filmes Jogos Vorazes e usada por manifestantes no ano passado na Tailândia.

Online, muitos mudaram suas fotos de perfil nas redes sociais para a cor vermelha, em apoio ao partido de Suu Kyi.

Muitas pessoas usaram a saudação de três dedos para protestar.

Reação internacional

Os Estados Unidos condenaram o golpe, dizendo que Washington "se opõe a qualquer tentativa de alterar o resultado das últimas eleições ou impedir a transição democrática de Mianmar".

O secretário de Estado americano, Antony Blinken, pediu a libertação de todas as autoridades do governo e dos líderes da sociedade civil.

"Os EUA estão com o povo da Birmânia em suas aspirações por democracia, liberdade, paz e desenvolvimento. Os militares devem reverter essas ações imediatamente."

No Reino Unido, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, também condenou o golpe e a "prisão ilegal" de Suu Kyi.
A ministra australiana das Relações Exteriores, Marise Payne, fez um apelo para que "os militares respeitem o estado de direito" em Mianmar.

"E libertem imediatamente todos os líderes civis e todos os outros que foram detidos ilegalmente."

Qual é a situação nas ruas?

As conexões de internet móvel e alguns serviços telefônicos foram interrompidos nas principais cidades do país, enquanto a emissora estatal MRTV diz que está tendo problemas técnicos e está fora do ar.

As comunicações com a capital, Nay Pyi Taw, caíram — e é difícil avaliar a situação lá.

Na maior cidade do país e antiga capital, Yangon, as linhas telefônicas e a conexão com a internet parecem estar limitadas, com muitos provedores cortando seus serviços.

A BBC World News, assim como outras emissoras de televisão internacionais, estão bloqueadas, enquanto as estações locais estão fora do ar.

Pessoas foram vistas fazendo fila em caixas eletrônicos em Yangon em meio à expectativa de uma crise de liquidez nos próximos dias.

Os bancos suspenderam temporariamente todos os serviços financeiros, de acordo com a Associação de Bancos de Mianmar.
O que aconteceu na eleição?

O NLD conquistou 83% das cadeiras em disputa nas eleições de 8 de novembro, no que muitos viram como um referendo sobre o governo civil de Suu Kyi.

Foi a segunda eleição desde o fim do regime militar em 2011.

Mas os militares contestaram o resultado, apresentando denúncias no Supremo Tribunal Federal contra o presidente do país e o presidente da comissão eleitoral.

O temor de um golpe aumentou depois que os militares ameaçaram recentemente "agir" por causa da alegada fraude. A comissão eleitoral rejeitou as denúncias.

Quem é Aung San Suu Kyi?

Aung San Suu Kyi é filha do herói da independência de Mianmar, o general Aung San, que foi assassinado pouco antes de o país se tornar independente do domínio colonial britânico em 1948.

Suu Kyi era tida como um símbolo internacional da luta pelos direitos humanos no país — uma ativista que abriu mão de sua liberdade para desafiar os generais do exército que governaram Mianmar com mão pesada por décadas.

Ela passou quase 15 anos detida, entre 1989 e 2010.

Em 1991, recebeu o Prêmio Nobel da Paz, enquanto ainda estava em prisão domiciliar, e foi aclamada como "um exemplo notável do poder dos impotentes".

Em novembro de 2015, ela liderou o NLD rumo a uma vitória esmagadora na primeira eleição disputada abertamente em Mianmar em 25 anos.

A Constituição a impede de se tornar presidente porque ela tem filhos estrangeiros, mas aos 75 anos, ela é amplamente vista como a líder de facto do país.

Nos últimos anos, sua liderança foi abalada no cenário internacional pelo tratamento à minoria muçulmana Rohingya.

Em 2017, milhares de Rohingya fugiram para Bangladesh, país vizinho, devido à repressão do Exército provocada por ataques mortais a delegacias de polícia no estado de Rakhine.

Os ex-apoiadores internacionais de Suu Kyi a acusaram de não fazer nada para impedir o estupro, assassinato e possível genocídio ao se recusar a condenar os militares ou reconhecer os relatos de atrocidades.

Dentro do país, no entanto, "a Lady", como Suu Kyi é conhecida, continua bastante popular entre a maioria budista que tem pouca simpatia pelos Rohingya.


REDAÇÃO TRIBUNA DO BRASIL

Uma marca do Grupo

Nenhum comentário

Obrigado por contribuir com seu comentário! Ficamos felizes por ser nosso leitor! Seja muito bem vindo! Acompanhe sempre as nossas notícias! A equipe Tribuna do Brasil agradece!